CEO e o medo atrás da porta

A porta da sala do executivo separa o mundo das decisões do mundo das operações.

Sem ter essa experiência, é impossível conhecer com profundidade essa realidade.

Conheci e vivi esse fato pela primeira vez, quando assumi a diretoria de uma organização.

Meu antecessor trabalhava de portas fechadas, e sua secretária fazia a ponte com as pessoas que dali se aproximavam.

Tomei uma decisão que para ela era radical: mantinha a porta aberta. Estando, esta, assim, todos que precisavam falar comigo podiam entrar, sem ser anunciado.

Atendia os telefonemas da linha direta e despachava meus correios eletrônicos, sem pedir auxílio.

Um dia ela me disse: – Não sei trabalhar com o senhor. Grande parte do trabalho o senhor mesmo faz!

Mostrei, então, o tempo que era perdido com a interlocução. E, como já havíamos conversado, quando eu fechasse a porta, realmente não gostaria de ser incomodado. Fato raro em toda minha carreira.

Subi todos os degraus para chegar àquele posto, portanto pouca coisa era novidade para mim.

Um dia o presidente me chamou e disse: – Ivan, você não tem que andar atrás das pessoas, elas e que devem vir à sua sala.

Tivemos uma conversa interessante e pude mostrar que nada acontecia em minha sala, grande parte das decisões dependiam de fatos que estavam espalhados pela empresa.

Andar pelos corredores permite ver mais do que se imagina.

Problema não resolvido é dilema criado. Se há algo a ser feito, porque não “encarar logo essa parada”?

Um dos aspectos que me ajudou na carreira é ter estado como Staff bastante tempo, em mais de uma empresa.

Atuar como filtro, o obriga a coletar o máximo de informações e decidir o máximo que puder. É um “baita” treino para posições de tomada de decisões.

Quando não temos domínio do ambiente e das situações, nos trancamos. Os de dentro têm medo do que vai entrar e os de fora do que vai sair.

Quando eliminamos a barreira, e nesse caso estamos falando de uma porta, espantamos os fantasmas. Isso é importante. Não acreditamos em fantasmas, mas que eles existem, eles existem!

Quando alguém entrava em minha sala afoito, esperando uma rápida decisão minha, eu dizia:

— Calma, pensemos! Se a coisa fosse simples, vocês já a teriam resolvido.

Isso tirava grande parte do peso da questão, e muitas soluções saíram de um colegiado. Uma opinião aqui, outra ali, uma ideia acolá, e víamos que o problema nem era tão grave e nem tão complexo.

Problema tem medo de decisão, é como calor em plástico. Faz encolher.

A coragem do guerreiro pode ser contemplada em seus olhos. Nada assusta mais do que a serenidade no olhar do oponente.

Dizia o escritor Lloyd Alexandre: “Se tiveres a coragem de olhar o mal cara a cara, de o veres como realmente é e de lhe dares o seu verdadeiro nome, ele não terá poder sobre ti e poderás destruí-lo”.

Decidir nunca foi fácil, aprendamos com Napoleão Bonaparte: “Nada é mais difícil e, portanto, tão precioso, do que ser capaz de decidir”.

Na posição de tomador de decisões, podemos parecer, às vezes, conflitantes, mas Alvin Tofller nos ajuda a entender as razões: “o futuro é construído pelas nossas decisões diárias, inconstantes e mutáveis, e cada evento influencia todos os outros”.

Abrir as portas da sala e da mente cria a dinâmica que afasta os medos!

fonte: http://www.dicas-l.com.br/construindoofuturo/construindoofuturo_201501012233.php

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s