Arquivo da categoria: inspiração

Na empresa: quem ajuda e quem atrapalha?

Em qualquer grupo de trabalho, há sempre aquele que, em palavras, gestos e olhares, vive perguntando: “o que você pode fazer por mim?”.

Porém, há sempre aquele outro que, da mesma forma, nos indaga: “o que posso fazer por você?”.

O primeiro é o “tomador” (ou aproveitador). O segundo é o “doador” (ou colaborador). Logicamente, trata-se da identificação da tendência predominante, pois nem todo mundo mantém o mesmo padrão de conduta durante todo o tempo.

Não faz muito tempo, o famoso psicólogo organizacional Adam Grant entrevistou 30 mil trabalhadores, de várias áreas de atividade, de diversas culturas do mundo, e chegou à conclusão de que a maior parte das pessoas oscila entre doar e tomar, num terceiro estilo denominado “adaptável”.

Em geral, essas pessoas agem da seguinte forma:

“faço algo por você se você fizer algo por mim”.

O estudo revelou outros dados surpreendentes. Por exemplo: muitos dos profissionais de pior desempenho pertenciam à categoria dos doadores.

Eram, por exemplo, engenheiros e médicos que estavam tão ocupados fazendo favores para os outros que não tinham tempo e energia para concluir suas próprias tarefas.

Grant encontrou um vendedor muito boa praça, mas com desempenho sofrível. Questionado a respeito, o indivíduo respondeu: “preocupo-me tanto com os meus clientes que nunca lhes venderia produtos de má qualidade”.

Opa! Neste momento, você pode estar pensando que ser “legal” é uma roubada, e que a boa jogada é apostar mesmo no egoísmo e passar o rolo compressor sobre o resto da turma.

Equívoco seu. Emergiu da pesquisa outro dado interessante. Os doadores frequentemente prejudicam a si mesmos, mas tornam suas organizações melhores.

As empresas prosperam mais quando empregam pessoas dispostas a ajudar, a dividir conhecimento e a oferecer orientação aos colegas.

De acordo com a avaliação, companhias com muitos doadores tendem a satisfazer os clientes, reduzir custos e ter lucros maiores.

E os tomadores? Bem, eles tendem a gerar resultados de curto prazo e a crescer rápido. A maioria, porém, não se mantém no topo.

Os tomadores despeçam logo porque os adaptáveis, aqueles pragmáticos das trocas justas, logo os identificam e julgam fundamental brecá-los e puni-los.

Pelo que leu até agora, você possivelmente será levado a acreditar que os adaptáveis são os melhores, os que efetivamente fazem a diferença…

Então, prepare-se para mais uma grande surpresa: os melhores desempenhos nas empresas TAMBÉM são dos doadores. Ora, mas como isso é possível?

Eles estão nos dois extremos. Eles compõem a maioria dos que trazem a menor receita. No entanto, são igualmente maioria no grupo dos que geram a maior receita. Os altruístas têm supremacia entre os piores e também entre os melhores.

Qual é, então, a chave para aproveitar essas pessoas especiais? Primeiramente, convém realizar uma gestão que as proteja da generosidade excessiva, a fim de que não se esgotem.

Depois, é preciso fazer com que auxiliem, de modo organizado e focado, aqueles que precisam, nas horas e lugares certos.

Outra conclusão interessante do estudo de Grant: não basta empregar, proteger e incentivar os doadores; é preciso também eliminar (ou quem sabe reeducar?) os tomadores.

O impacto negativo do tomador na cultura organizacional pode ser até três vezes maior que o impacto positivo gerado pelo doador. Um ovo podre, no prato, estraga todo o omelete. Um ovo bom, contudo, não é capaz de salvar a receita.

Um dos grandes problemas das empresas é justamente a dificuldade em identificar doadores e tomadores.

Há doadores discordantes em nossos departamentos. São rigorosos, talvez impacientes e até rudes no relacionamento, mas contemplam no coração os interesses coletivos.

Um engenheiro ouvido por Grant disse que o doador discordante é “alguém com uma interface ruim, mas com um ótimo sistema operacional”. Doadores discordantes são muito depreciados nas empresas.

Simultaneamente, convivemos com o aproveitador concordante. É um sujeito aparentemente bacana, que tende sempre a elogiar as ideias do interlocutor (mesmo as ruins), mas que, segundo o pesquisador, pode apunhalá-lo pelas costas.

O resumo da ópera é este: muitos tomadores geram pesados prejuízos às organizações até serem desmascarados; muitos doadores são subestimados ou estigmatizados e, por vezes, fracassam ao permitir que suguem suas energias.

Empresas funcionam muito bem no modelo da competição, principalmente externa. Segundo Grant, entretanto, no plano interno conta mais a contribuição. Nesse caso, o melhor caminho para o sucesso é ajudar os colegas a obterem sucesso.

E você, profissional, qual é o seu perfil? Na sua equipe de trabalho, quem são os doadores, os adaptáveis e os tomadores?

E você, gestor: está sabendo valorizar os doadores do seu time? E o que tem feito a respeito dos tomadores? Leve a sério estas questões.

fonte: https://www.linkedin.com/pulse/na-empresa-quem-ajuda-e-atrapalha-carlos-alberto-julio/

Anúncios

Para fazer acontecer, experimente brincar

Acredite: conquistas relevantes surgem do empenho, do trabalho duro, mas também da paixão. Pessoas apaixonadas, fazendo o que gostam, desafiam o impossível, vão longe e transformam o mundo.

É o caso de Charles Lutwidge Dodgson, mais conhecido como Lewis Carrol, autor do clássico Alice no País das Maravilhas. Desde criança, ele adorava brincar, excursionando pela literatura, pela Matemática e pela lógica.

Divertiu-se e produziu entretenimento, mas também ajudou várias gerações a pensar melhor. O divulgador científico Martin Gardner mostrou como…

leia mais em https://www.linkedin.com/pulse/para-fazer-acontecer-experimente-brincar-carlos-alberto-julio

Por que os melhores funcionários nem sempre são promovidos?

Hoje em dia, para progredir na carreira não basta fazer seu trabalho com maestria ou mesmo cumprir o horário a risca, vestir-se de acordo com o dress code da área, ser educado e relacionar-se bem. Claro que tudo isso é importante, mas não carimba seu passaporte para a promoção.

A competição corporativa nunca foi tão acirrada. As disputas por cargos de confiança são verdadeiros duelos de Titãs, pois, quase sempre os profissionais que disputam a vaga tem currículo tão bom ou melhor que o seu.

Se quiser ser o escolhido e conseguir a tão sonhada promoção não…

leia mais em https://pt.linkedin.com/pulse/por-que-os-melhores-funcion%C3%A1rios-nem-sempre-s%C3%A3o-um-papo-rodrigues

Como nadar contra a corrente quando o rio é estreito

É comum nos processos seletivos ter aquele momento de apresentações. “Passei dois anos na Austrália estudando”. “Sou fluente em alemão, francês, espanhol e inglês”. “Fiz um curso de cinema na escola tal”. Intercâmbios, idiomas, certificados e vivências internacionais. O que nos faz sempre pensar em: como vou me destacar? Muitos candidatos já tinham alcançado “itens” que estavam na minha lista, mas que eu sabia que só poderia ter a chance de riscar dela daqui uns dois anos. Ou cinco. Ou um pouco mais que isso.

Não gosto de me vitimizar. Essa definitivamente não sou eu. Mas devo confessar que, naquele momento, um dos meus principais medos me…

leia mais em https://www.linkedin.com/pulse/como-nadar-contra-corrente-quando-o-rio-é-estreito-fabiana-saraiva

6 práticas que ajudam a virar diretor de uma mega empresa

Você busca ascensão profissional, mas aguarda oportunidades para galgar cargos e desafios maiores? Que tal criá-los você mesmo?

A maioria das vagas de gestão em grandes empresas que possuem características meritocráticas costumam ser ocupadas por colaboradores internos que se destacam, mas a dificuldade de quem almeja crescimento está na VISIBILIDADE.

Muita gente fica chateada…

Leia mais aqui

Privacidade líquida

Algumas pessoas são ‘abençoadas’ e conseguem passar longe de textões e debates amargos em redes sociais. Outras não se importam com o futuro do Brasil. Por outro lado, todo mundo faz aniversário uma vez por ano.

Quem é um pouco mais velho pode se lembrar com facilidade de uma época que o próprio aniversário era um acontecimento relativamente privado, que podia ser comemorado apenas com familiares e amigos próximos e cuja data só umas poucas pessoas saberiam.

É um estado de coisas que não favorece muito redes sociais construídas em torno do objetivo de promover engajamento contínuo, mesmo que por meio de interações rasas em grande volume, que acabam transformando cada vez mais a convivência social em uma espécie de tarefa a ser cumprida.

Leia mais em https://blog.runrun.it/o-ano-que-esqueci-meu-aniversario/

O “NÃO” INADEQUADO

Na vida, é preciso saber dizer o “não” na hora certa.

– – –

A intervenção para negar ou impedir que se faça algo é bem complexa.

Dizer que não fez, quando está escrito na testa “fiz”, é algo desconcertante.

Crianças, imaturas, fazem muito isso. E adultos desaforados igualmente, o tempo todo. Até os que trabalham em favor da lei podem vir a negar (ou mentir).

Negar é também desconhecerobjetardesmentir, rejeitarenganarcontrariar… às vezes é arrogância e, em casos mais sutis, prevaricar e perjurar.

Só que qualquer pessoa pode mentir – é da natureza do ser humano encobrir, para o bem ou para o mal. Já trabalhar com frases contendo verdade, de maneira assertiva, é um comportamento bastante feliz.

Quanto mais negarem que o céu é azul ou insistirem na contraditória assertiva “não faça isso ou aquilo”, mais evidente torna-se o anil do firmamento. E mais compelida a pessoa fica para fazer o “proibido”.

São curiosidades sobre negação na neurolinguística. O “não” é uma abstração – por si só, nada diz. E pode reforçar o contrário.

O cérebro irá se fixar no depois: “Não pense num bombom”. O efeito será como “pense num bombom”.

“Não mexa nisso aí, Artur”. Então, já deu pra concluir.

Poderia ser melhor: “Vá brincar com aquilo que é muito bacana, Artur.” (houve a evitação do “não” e o desvio para algo permissível e atraente, em vez de mexer no que não poderia).

Inúmeros exemplos simples na psicologia forense, na psicologia comportamental e noutras áreas levam à análise da complexidade de uma mentira ou a veracidade de uma afirmativa. Não é fácil mascarar uma realidade e manter por tanto tempo.

Há técnicas para se usar o “não” de forma saudável, para uma boa comunicação.

Pode o “não” ser encaixado em frases que reforcem o objetivo pretendido a partir da permissividade pela subtração. Nisso, o interlocutor se sente considerado.

Exemplo: “Você não precisa tomar toda a deliciosa sopa que está na tigela.” (Se o seu objetivo é que uma criança resistente tome ao menos um ou dois pratos de toda a “enorme” tigela da mesa).

A criança entendeu que ela pode abreviar o “desprazer” de tomar a tigela inteira e vai consumir apenas um ou dois pratos. O objetivo final era que a criança se alimentasse. E tomou uma parte da tigela.

Aqui foi um exemplo em que se usou um artifício de comunicação.

Negar pode usar a palavra “sim”. Afirmando, dependendo do caso está dizendo que ocorreu algo que nunca existiu.

A negação que vem como repressão pode ser parte do ego impedindo o inconsciente. Quando há uma competição, o derrotado quer negar para si que é vencido ou minimizar a dor do fracasso.

Nesse caso, se alguém lhe diz:

“Você não foi derrotado. Apenas não era pra ter ganhado desta vez e por isso não mereceu.”

Ou: “Você não ganha porque não tem força de vontade. Você nunca poderá ganhar.”

São palavras derrotistas, de negação, que já deram uma “sentença” que tira a perspectiva de futuro embate com sucesso. Melhor seria o tom mais realista e acertado:

“O seu desempenho na próxima vez será muito mais proveitoso, porque você pode, tem recursos! De verdade você é bom e por isso comece já a praticar de forma a atingir esse máximo que você merece!”

O estado de negação é um mecanismo de defesa de si ou de quem aponta.

De si ocorre quando o indivíduo procura esconder um fato, se recusando a enfrentá-lo, pela dor da realidade. O fato pode provocar dor emocional, exposição negativa ou consequência maior, como uma punição coercitiva prisional. E por isso a esquiva ou a fuga.

Do outro, que aponta, pode ser por falta de cuidado, de escrúpulo ou até por inveja deixando de apoiar uma pessoa fragilizada.

Quando se quer ser taxativo, categórico, colocando-se palavreado em nível formal ou de autoridade estabelecendo regras, princípios, decisões e ordens, há franca abertura para o uso do “não” como recurso linguístico que enfatize a força do limite. Deve ser caso pontual, não corriqueiro.

uso sistemático do “não” tende a perder a força. Cria aversões.

Saber o usar o “não” na circunstância e tempo certos é ampliar possibilidades.

fonte: https://www.linkedin.com/pulse/o-não-como-impedimento-inadequado-claudio-carlos-de-souza