Arquivo da tag: conhecimento

Gestão do conhecimento: Seu modelo de pensamento está obsoleto?

Você deve concordar que atualmente nenhum profissional, em seu pleno juízo, consideraria baixar a mais recente versão do Photoshop em um computador com sistema operacional Windows 98. Acontece que, da mesma forma que os sistemas operacionais dos computadores, nosso sistema operacional mental também precisa de um upgrade, ou pode acabar obsoleto. Isso significa que para uma boa gestão do conhecimento, precisamos encontrar novas formas de ver e de conceber a realidade, de maneira que nós possamos compreender melhor as situações complexas que vivenciamos. Para fazer esse upgrade do modelo de pensamento, propomos que você conheça um novo sistema mental, conhecido como Holonomic Thinking.

Levando o conceito de modelo de pensamento obsoleto para o universo dos negócios, a falta de atenção aos aspectos intangíveis de uma empresa – que não podem ser mensurados de maneira quantitativa – demonstra uma carência de percepção mais completa da realidade. Isso se deve ao fato de utilizarmos basicamente o processo lógico-analítico para olhar e decifrar o mundo. Entretanto, a realidade cada vez mais complexa exige a atualização dessa maneira de ver.


“Não é segredo que o setor privado, em sua maior parte, está menos preparado do que deveria para enfrentar a evolução dos desafios impostos dia após dia”


Não é segredo que o setor privado, em sua maior parte, está menos preparado do que deveria para enfrentar a evolução dos desafios impostos dia após dia. A principal razão estaria no modelo de pensamento vigente, muitas vezes, nutrido por uma visão simplista, em vez de ampla e arejada, pouco disposta a questionar o que está consolidado.

>> Leitura recomendada: Desvendando os mistérios da criatividade e inovação nas empresas

A Gestão do Conhecimento Holonômico

Um modelo mental, em poucas palavras, é a forma como um ser humano tenta explicar o mundo real. O que torna o conceito de Holonomic Thinking radicalmente diferente do que se conhece como modelo mental é o seu preceito de que é possível expandir a consciência de analítica para intuitiva.

Ou seja, é possível adquirir um modo de pensar que não apenas entende as partes do todo, mas que busca um nível mais profundo e intuitivo de percepção, e consegue entender relações, fazer associações e reconhecer processos dentro de um sistema.

O pensamento holonômico é também um modo de consciência que, enquanto aceita a importância dos aspectos analíticos, lógicos e simbólicos de nossas mentes, também aceita a intuição, as sensações e os sentimentos, permitindo encontrar e compreender os sistemas em sua totalidade.

Gestão do conhecimento
Reprodução de Imagem – Holonomics: Business Where People and Planet Matter

 

No livro Holonomics: Business Where People and Planet Matter, os autores Simon e Maria Robinson revelam que pensar de forma holonômica é oposto a pensar de forma mecânica. O objetivo da obra não é apenas apresentar este elegante modelo do pensamento, mas também dar exemplos que conscientizem os leitores de um conjunto de ideias que normalmente não são discutidas nesse arranjo.


“Alguém deve olhar o todo e, ao fazê-lo, estar preparado para descobrir surpresas e comportamentos inesperados que surgem”


Para os pesquisadores, o conceito do pensamento holonômico envolve a análise do ciclo de vida, do pensamento sistêmico, a interconexão, a filosofia, a alfabetização, a física e a biologia, todas aplicadas aos negócios – reunidos de uma forma que abra os olhos dos profissionais de dimensões incomuns de pensamento que poderiam ter aplicações muito práticas.

O primeiro desafio para a nossa maneira de pensar, então, é mudá-la do pensamento mecanicista e limitante (dominante na maioria das sociedades) para o pensamento sistêmico e abrangente.

Formigas e cupins e sua lição holonômica

Um dos estudos citados no livro examina insetos sociais, como formigas e cupins, justamente para ilustrar como a falta de pensamento sistêmico, geralmente, é confrontada com paradoxos inesperados.

Formigas e cupins têm um cérebro minúsculo e, portanto, seu comportamento individual pode ser visto como extremamente primitivo, até mesmo caótico. Difícil descrevê-los como inteligentes e organizados, com base em uma visão isolada. Mas quando o estudo se dedica a analisar o comportamento desses insetos em conjunto, eles são vistos sob uma ótica muito diferente, capaz de explicar suas realizações extraordinárias.


“O primeiro desafio para a nossa maneira de pensar, então, é mudá-la do pensamento mecanicista para o pensamento sistêmico”


Com este exemplo chegamos a compreender a importância de olhar para os problemas de forma holonômica: é o único modo de entender um sistema complexo. “Alguém deve olhar o todo e, ao fazê-lo, estar preparado para descobrir surpresas e comportamentos inesperados que surgem”, afirmam os autores.

Essa percepção da “integridade” (do todo) vem tanto da Ciência quanto da Arte. Ao perceber fenômenos, os princípios de organização surgem na imaginação, em um lugar de autêntico “pertencimento”. Quanto melhor conseguirmos enxergar onde há esse “pertencimento”, melhores nossos modelos mentais serão. Haverá um feedback eficaz e nos tornamos mais conscientes do nosso próprio pensamento, e também dos processos mentais e das nossas experiências.

>> Leitura recomendada: Guia de Inovação ara Empresas que Desejam Ser Disruptivas 

A Prática da Liderança via Pensamento Holonômico 

Um dos grandes problemas enfrentados pelas organizações reside no fato de as pessoas estarem convencidas de que a forma como veem a realidade é certa e única. Raramente consideramos que pode haver pessoas com experiências radicalmente diferentes das nossas e que, por isso, compreendem situações complexas e problemas de forma totalmente distinta de como os concebemos.

No entanto, uma organização que encoraja o holonomic thinking em sua equipe, como aliada da gestão do conhecimento, apresenta líderes com a habilidade de ascender na “escalada de visão”. (Aliás, entenda como aprimorar a gestão do conhecimento na sua empresa). O motivo é que sua forma de tomar decisões e buscar soluções emerge não de um modelo mental dominante e colonizador sobre os demais, mas advém da tentativa de capturar as diferentes formas de pensar e ver. O que só pode ocorrer por meio de um diálogo genuíno e frequente.

Para que esse diálogo ocorra, os pesquisadores desenvolveram um passo a passo didático. Primeiro, reúna um grupo para conversar sobre algum problema. Durante o diálogo:

1. Evite definir um líder;
2. Evite julgar e se defender;
3. Não busque um “vencedor”;
4. Valorize o modelo mental das outras pessoas;
5. Sinta-se como parte de um grupo, e
6. Considere as soluções que emergem do diálogo com todos.

Para praticar esse diálogo, digamos, genuíno, comece escolhendo algum tema pouco controverso. A partir do momento em que esses seis passos acima estiverem já incorporados, avance para questões e tomadas de decisão mais críticos.


“Uma vez capaz de ver o todo, os processos, as dinâmicas e o significado dos sistemas, você poderá alcançar uma compreensão mais profunda do mundo e dos negócios”


Um exemplo inspirador de aplicação do pensamento holonômico à liderança aparece nas palavras de Sergio Chaia, ex-presidente da Nextel Brasil. Ele argumenta que a organização ideal não existe, porque tudo está sendo transformado e está sempre evoluindo. Tudo pulsa em cada momento e por sua vez; e, como tudo está mudando, assim também o padrão de ideal não é algo constante. Uma vez que o ideal tem uma característica mutante, a organização ideal também deve ter a competência de constante mutação.

Diante da realidade nada simples, o que o holonomic thinking propõe é ver as dimensões de um sistema complexo que uma empresa é, sem receio e sem limitações, e de forma mais abrangente. Uma vez capaz de ver o todo, os processos, as dinâmicas e o significado dos sistemas, você poderá alcançar uma compreensão mais profunda do mundo e dos negócios. E assim, deixará de ver os elementos de uma empresa de forma isolada, mas sim como um organismo vivo, onde as pessoas realmente importam.

fonte: https://blog.runrun.it/gestao-do-conhecimento-holonomic

Anúncios

Gatilhos mentais

Você sabe o que são e para que servem os gatilhos mentais?

Bom, imagine que você esteja com um problema e possui duas alternativas para resolvê-lo e, aparentemente, está em dúvida sobre qual decisão tomar.

Faça algo simples: jogue uma moeda para o alto.

Não que a moeda vá decidir por você, mas nos instantes que…

leia mais em http://viverdeblog.com/gatilhos-mentais

Entrevista de emprego: Predictive-Index, já ouviu falar?

Bom dia,

continuando a série de posts sobre os maiores comentários do blog, temos o  Predictive Index  ou PI, segundo a definição em sites oficiais é um sistema de gestão executiva que mensura o comportamento dos profissionais da organização, relacionado ao trabalho e suas necessidades motivadoras. O PI oferece o conhecimento  para melhor motivar, liderar e alocar as pessoas para atingir os objetivos de sua empresa.

Refletindo bem sobre o modelo do teste, como já respondido nos comentários, não penso que este é um teste injusto, afinal o que se pretende é tentar conhecer melhor o candidato, e nestes sentido, o PI visa definir características e potencialidades a respeito de um indivíduo. É claro que pode haver manipulação e falsas interpretações, afinal um ser humano representa e é muito mais do que simples palavras escolhidas em uma folha de papel.
Porém, um conselho, procure refletir sobre suas qualidades e pontos fracos, a palavra aqui é auto-conhecimento, ou seja, você realmente está ciente de seus talentos, de seu potencial? Digo isso pois, quando estamos totalmente cientes de nosso potencial e valor, não temos nada a temer ou com que nos preocupar.

para maiores informações sobre o método, acesse o artigo utilizando o PI no processo de seleção.

SUCESSO e Realizações…
tenha um excelente dia.

O FAST FOOD DO CONTEÚDO

Na era da internet, o click vale ouro. Isso, porque quanto mais clicks, os usuários dos grandes portais são expostos a mais impressões de mensagens publicitárias, a principal fonte de receitas dos portais, pagas pelas empresas que desejam apresentar suas marcas e produtos.

Sendo assim, quanto mais atrativo é o conteúdo, mais clicks, mais impressões publicitárias e por consequência, mais receitas. Resumindo, quanto mais atrativo é o conteúdo, mais receitas.

Como sabemos que um conteúdo é mais atrativo? Quanto ele é mais clicado, simples assim. E os mais clicados, segundo as pesquisas do Google, são sempre os relacionados a desgraças e futilidades, isso sem contar com os conteúdos relacionados a pornografia, é claro.

Então a receita para faturar mais nos portais é simples: basta oferecer o maior número possível de desgraças e futilidades nos conteúdos que a audiência imediatamente sobe e por consequência o faturamento no final do mês. É a indústria da mediocrização em looping, formando um verdadeiro ciclo vicioso para atender a fome insaciável por alimentar-se de lixo que tem os seus usuários.

A qualidade e a profundidade do conteúdo que você consome é consequência da fome que você tem e dos “hábitos alimentícios” que desenvolveu ao longo da vida. Como alguém já disse, “você tem fome de que?”.

O fast food do conteúdo tem produzido um número incalculável de obesos mórbidos cerebrais com altos teores de colesterol, ou melhor, de besterol, por todo mundo…

Bem, sabemos que tudo isso não mudaria da noite para o dia e tampouco é a minha intenção ao escrever este texto para ter a pretensão de mudar esta realidade. Escrevo para lhe mostrar que para ter resultados diferentes, para se destacar, para sair desta boiada, você deve investir em afastar-se da futilidade e das desgraças despejadas diariamente nos meios de comunicação.

Desenvolva outros “hábitos alimentares” e busque conteúdos que lhe inspire e encoraje a olhar o mundo fora da influência massiva e medíocre do senso comum. Minha missão com o GV é despertar e revelar, em meio a esta multidão de descontentes, pepitas de outro, preciosidades, pedras preciosas perdidas. Sim, estou falando com você mesmo. Alguns loucos têm sido despertados e esses têm mudado as suas realidades de forma inquestionável.

fonte: facebook.com/canalgeracaodevalor

Programar ensina você a pensar…

Conheci esta campanha da code.org e penso ser extremamente interessante compartilhar aqui no blog, o proposito dos caras é apoiar uma revolução no estudo, propondo que o aprendizado da programação de computadores(muito bem instruída e simplificada por eles), pode ampliar muito a capacidade de raciocínio e ainda propiciar uma base fundamental para o uso de dispositivos de tecnologia, e mesmo que você não queira ser profissional de ti, o conhecimento sobre estes dispositivos serão uma excelente base para você se destacar em varias outras áreas do conhecimento, uma vez que a tecnologia está inserida, apoia tudo hoje em dia.

mais detalhes no video em ingles, com legenda em espanhol – http://youtu.be/zxl8bwiRTp8

conheça também o projeto http://www.codecademy.com

Com quem você tem conversas siginificativas?

Conversas significativas são conversas transformadoras, que causam reflexões, promovem pontos de vistas variados e nos levam a pensar diferente. São conversas que nos fazem crescer profissionalmente e pessoalmente.

Sabedoria não tem idade e muitas vezes a fonte destas conversas significativas são os jovens, que partem de uma perspectiva de vida diferente e transformam o pensamento da sociedade. O impacto é …

leia mais em http://www.guiametal.com.br/?artigo=138%2Fcom-quem-voce-tem-conversas-siginificativas-

Você investe em leituras de qualidade?

Vivemos numa era em que para nos inserir no mundo profissional devemos possuir boa formação cultural e muita informação. Nada melhor para obtê-las do que sendo leitor assíduo, pois quem pratica a leitura está fazendo o mesmo com a consciência, o raciocínio e a visão crítica.

A leitura tem a capacidade de influenciar nossa maneira de agir, de pensar e até mesmo de falar. Com a prática da leitura tudo isso é expresso de forma clara e objetiva e…

leia mais em http://outrolado.com.br/voce-investe-em-leituras-de-qualidade