Arquivo da tag: pnl

A noção de certo e errado dá origem à violência

Uma citação do poeta persa Rumi ilustra uma das estratégias mais valiosas da PNL: “Para além das ideias de certo e errado, existe um campo. Eu me encontrarei com você lá“. Esta citação de Rumi está no livro “Comunicação Não Violenta” de Marshall Rosenberg. A “Comunicação Não Violenta” é o resultado de toda uma vida do autor comprometida com a solução de conflitos e a mediação, incluindo negociações étnicas e diplomáticas.

Em outras palavras, Marshall Rosenberg diz que a noção de certo e errado dá origem à violência. Talvez você concorde que possivelmente a totalidade dos conflitos no universo humano possui sempre as mesmas raízes: a convicção de que cada uma das partes em conflito tem de estar “certa”! Quando desprendidamente ouvimos os argumentos, somos frequentemente convencidos de que há uma lógica que sustenta as motivações das partes em conflito… “Todos tem razão!” Então, como é possível transcender tais paradoxos e encontrar soluções criativas para soluções criativas e valiosas que sirvam de acordo entre as partes? A resposta de Marshall Rosenberg é mudar a linguagem e a percepção do certo e do errado para a das necessidades. Nas necessidades, nós humanos, facilmente entramos em consenso, pois independentemente da raça ou cultura, todos temos as mesmas necessidades!

fonte: lista idph – Instituto de Desenvolvimento do Potencial Humano

Anúncios

Dicas de PNL

Por mais absurdo que possa parecer, a neurociência atual valida a hipótese de que nós não vivemos no mundo real! Nós habitamos uma fantasia consensual construída a respeito do mundo real! A PNL, nascida já com tal pressuposto, assume que talvez não tenhamos poder para fazer grandes mudanças no mundo real, porém temos pleno poder para fazer mudanças em nossa fantasia da realidade, chamada de Modelo de Mundo. Isso nos permite obter melhores sentimentos, emoções e resultados.

De forma semelhante, nós não nos relacionamos com pessoas, mas sim com fantasias que elaboramos sobre as pessoas. Por mais impressionante que pareça tal proposição, note que ela é fartamente validada pelas nossas experiências de nos surpreender com as pessoas ou de nos frustrar com elas! As pessoas, de fato, são muito mais do que somos capazes de conhecer, nem elas mesmas se conhecem totalmente. Nós criamos expectativas a respeito delas baseados em nossos desejos e necessidades, mas elas se comportam de acordo com os próprios desejos e necessidades, diferentes dos nossos, razões de tantas diferenças entre elas e nossas expectativas a respeito delas.

Assim, cada vez que você se frustrar com alguém, saiba que você é responsável por isso, não a pessoa!

fonte: recebido por email da lista ContandoHistorias.