Arquivo da tag: Reflexao

O espelho da verdade – uma lenda sobre o entendimento humano

Na sua saída para a caça de dragões, Rudolph se sentia magoado e triste com a atitude de Lendsor, seu melhor amigo. Eles que juntos sempre compartilharam seus valores e suas críticas do mundo, se sentavam em belas noites estreladas bebendo seu elixir preferido, rindo e se sentindo revigorados após suas conversas agora tinham uma relação de meros colegas.

Seria esse o fim da amizade pelo destrato do couro de dragão? Será que toda amizade possui um prazo de validade? Durante sua saga, esses pensamentos eram os que mais incomodavam Rudolph, que agora estava sozinho arriscando sua vida pelo seu objetivo maior.

– O dia em que me tornar um aviador real, Lendsor se arrependerá de ter destratado de mim. Ele perdeu a oportunidade de ser o melhor amigo de um aviador real. É uma criança! Infantil e imaturo. Não é um homem de verdade.

Pensamentos de ódio arrancavam a paz de Rudolph todos os dias. Seu dia até iniciava bem, mas durante as horas, seus pensamentos mudavam seu estado interno, limitando-o em suas ideias e o fazendo focar na falha de Lendsor.

Em uma noite de muita chuva, decidiu se abrigar numa caverna sentido Doragain, a terra dos dragões. Essa caverna era muito diferente das demais que já havia se abrigado anteriormente. Repleta de cristais reluzentes de tons azulados, roxos e amarelos, essa caverna lhe transmitia curiosidade e como a chuva levaria certo tempo para cessar, decidiu explorar esse espaço tão peculiar. Acendeu seu lampião e assim seguiu caverna adentro. Cada passo que dava se sentia feliz, curioso e imaginava como Lendsor estava perdendo a oportunidade de saber dessa maravilhosa caverna, pois com certeza não lhe contaria nada sobre seu sucesso.

Após alguns minutos de caminhada, Rudolph encontrou um baú sobre um altar que…

leia mais em http://tgcoaching.com.br/blog/o-espelho-da-verdade-uma-lenda-do-entendimento-humano

Você não sabe, mas seu dia já tem 32 horas

Sim. Mais precisamente, 31 horas e 28 minutos, segundo uma pesquisa recente que mostra que, através do uso cada vez maior de tecnologia e de novos comportamentos, viramos multitarefas com mais horas de atividades por dia que de vida.

A origem dessa descoberta é Michael Wolf, ex-membro do comitê executivo do Yahoo, que publicou no final de 2015 esse trabalho fascinante sobre o futuro da tecnologia.Segundo ele, o americano médio já passa mais tempo com mídias e tecnologia do que dormindo ou trabalhando. Ele chega a 11 horas e 32 minutos por dia – e isso continuará crescendo.

O brasileiro não deixa nada a desejar: são 10h34 por dia contra 8h44 no Reino Unido, 5h25 na China e 4h40 no Japão. Somos sociais, somos tecnológicos, somos mídia, somos multitarefas. E os comportamentos e modelos mudaram profundamente nesses últimos anos.

As plataformas sociais passam por mutações profundas. As mensagens instantâneas crescem em alta velocidade e já desafiam as plataformas sociais clássicas, não personais. O Snapchat virou, em dois anos, a terceira maior plataforma social do mundo: começou com um uso erótico nichado e hoje rivaliza com o Facebook em número de views de vídeos, com um quinto de usuários.

O jeito de assistir TV também. Surgiu o binge watching, a visão consecutiva de vários episódios de um seriado, que impacta totalmente a nossa relação com o conteúdo e os meios. Você viciado em House of Cards, Mad Men, Game of Thrones, Breaking Bad, etc., sabe muito bem do que eu estou falando.

O jeito de ouvir também. O áudio vai explodir porque, na essência, ele permite o multi-tasking. Basta lembrar que há muito tempo você já dirige ouvindo rádio. Você também pode ouvir rádio, música, podcasts enquanto está praticando esportes, trabalhando, se divertindo, caminhando, fazendo tarefas da casa, etc. E o YouTube é mais usado como streaming de música do que para assistir vídeos (incluindo os vídeos musicais).

As fontes migram para o conteúdo gerado por usuários. Mais faturamento no YouTube está sendo produzido por vídeos de usuários independentes do que por vídeos oficiais de selos de música ou grandes produtoras. A originalidade e a exclusividade dos conteúdos viraram chave. SoundCloud e YouTube têm hoje mais de 100 milhões de músicas off labelenquanto o teto da Apple Music é de 30 milhões. Haja long tail.

O gaming virou um nicho de 1,8 bilhão de pessoas no mundo. Em 2014, havia 1,8 bilhão de gamers no mundo vs. 2,9 bilhões de usuários de internet. Vocês já ouviram falar de e-sports? São competições de games de esporte multijogadores, a caminho de  virar em 2018 uma franquia de 1,2 bilhão de dólares – enquanto a NBA é uma franquia de 5 bilhões construída ao longo dos últimos 70 anos.

Os modelos diferem totalmente para atividades similares. Por exemplo, para faturamentos parecidos, na casa de 1 bilhão de dólares, a Pandora fatura 80% da sua receita com propaganda e o Spotify 80% com assinaturas.

O consumo continua concentrado, apesar da multiplicação de conteúdos e plataformas. Dos 27 aplicativos usados por mês, cinco representam 80% do tempo do usuário. Dos 96 websites visitados por mês, cinco representam 45%. E, dos 194 canais de TV disponíveis, 100% do tempo de TV é usado assistindo a 18 canais.

E, apesar de tudo isso, a TV continua ainda muito sólida na maior parte dos grandes países do mundo. Nos Estados Unidos, a TV tradicional – broadcast, cabo e pay TV – continua representando 72% da audiência. OsMillenials continuam assistindo a 20 horas de TV por semana. Os Gen X, 30 horas. A qualidade da tela grande continua atraindo, apesar da explosão e fragmentação da oferta.

E grandes questões ainda estão para serem resolvidas, como curadoria humana ou algorítmica dos conteúdos. Nesse texto de poucas frases, pouca prosa, bastantes números e fatos.

Fatos que martelam a minha cabeça desde que os li e que me fazem pensar até que ponto nós, profissionais de marketing e entendidos sobre consumidores, temos desafios tão complexos quanto apaixonantes. Fatos que eu gostaria de martelar na cabeça de vocês para não ficar sozinho com esse barulho.

Vivemos 32 horas por dia e em movimento constante. Os conteúdos, as plataformas e, por consequência, os comportamentos estão em plena transformação acelerada, sem ao mesmo tempo abrir mão de muitas coisas já existentes. Problems are a playground.

Temos um playground maravilhoso para os próximos anos. Vamos nos divertir!

fonte: https://www.linkedin.com/pulse/você-não-sabe-mas-seu-dia-já-tem-32-horas-david-laloum

AS ILUSÕES PERDIDAS DE ARNALDO JABOR

Fui do PCB, participei da fundação da Ação Popular, fui diretor da revista da UNE, um dos fundadores do CPC (Centro Popular de Cultura) e digo: Não existe ninguém mais platônico, sonhador, nefelibata do que um materialista dialético. Conheci vários que estavam aí no poder, ainda bonitinhos e fogosos. Foram (fui também) formados por uma empada de retalhos ideológicos mal lidos na Guerra Fria. Tínhamos só fins e nenhum meio.

Eu era do Grupo Vertigem, como meus colegas comunas chamavam os artistas, os angustiados, os românticos, que sonhavam com uma revolução rápida, indolor, sem lutas sangrentas, sem portas de sindicatos, sem chateações de tarefeiros. A cartilha comunista tinha nomes para nós: hesitantes ou radicais, sectários ou…

leia mais em http://www.jornaldoempreendedor.com.br/destaques/politica-e-economia/as-ilusoes-perdidas-de-arnaldo-jabor/

O conselho derradeiro de Steve Jobs para tomar decisões fortes e assertivas

Steve Jobs foi o empreendedor mais citado do nosso tempo, mas seu discurso mais notável foi o de abertura do ano letivo na Universidade de Stanford em 2005. E, dentro desse discurso, as falas mais importantes de Jobs para os empreendedores são essas:

“Você não consegue juntar os pontos olhando para frente; você só pode conectá-los olhando para trás. Então, você deve confiar que, de alguma maneira, os pontos vão se conectar no seu futuro. Você deve confiar em algo – sua intuição, destino, vida, karma, o que for. Essa abordagem nunca me decepcionou e isso fez toda a diferença na minha vida.”

leia mais em… http://siteware.com.br/nosso-negocio/conselho-de-steve-jobs-decisoes

NÃO PERCA TEMPO COM ESQUERDA VERSUS DIREITA – APENAS DEFENDA A LIBERDADE

Não perca seu tempo classificando as pessoas, os partidos e as bandeiras entre esquerda e direita. A classificação existe apenas no discurso, não na realidade, e é uma ferramenta retórica para criar conflitos, marcar posições e demonizar adversários.
Mais do que isso, falar em esquerda e direita é participar de um jogo. Um jogo retórico que serve aos interesses de apenas um dos jogadores. Quase sempre, quem dá as cartas é…

leia mais em http://www.jornaldoempreendedor.com.br/destaques/politica-e-economia/nao-perca-tempo-com-esquerda-versus-direita-apenas-defenda-a-liberdade/

Dicas de PNL

Por mais absurdo que possa parecer, a neurociência atual valida a hipótese de que nós não vivemos no mundo real! Nós habitamos uma fantasia consensual construída a respeito do mundo real! A PNL, nascida já com tal pressuposto, assume que talvez não tenhamos poder para fazer grandes mudanças no mundo real, porém temos pleno poder para fazer mudanças em nossa fantasia da realidade, chamada de Modelo de Mundo. Isso nos permite obter melhores sentimentos, emoções e resultados.

De forma semelhante, nós não nos relacionamos com pessoas, mas sim com fantasias que elaboramos sobre as pessoas. Por mais impressionante que pareça tal proposição, note que ela é fartamente validada pelas nossas experiências de nos surpreender com as pessoas ou de nos frustrar com elas! As pessoas, de fato, são muito mais do que somos capazes de conhecer, nem elas mesmas se conhecem totalmente. Nós criamos expectativas a respeito delas baseados em nossos desejos e necessidades, mas elas se comportam de acordo com os próprios desejos e necessidades, diferentes dos nossos, razões de tantas diferenças entre elas e nossas expectativas a respeito delas.

Assim, cada vez que você se frustrar com alguém, saiba que você é responsável por isso, não a pessoa!

fonte: recebido por email da lista ContandoHistorias.

O que não fazer em 2016 para ter um bom ano novo

Roteirista de séries como Os Normais, Fernanda Young preparou uma lista de coisas que você precisa deixar para trás em 2015.

  • Não repetir os mesmos erros. Ano novo, erros novos. Burrices, todo mundo faz, mas pouca gente sabe aprender com elas. Figurinhas e burrices: troque as repetidas.
  • Não tirar selfie fazendo bocas que você não faz quando não faz selfie.
  • Não trollar os posts dos outros, aproveitando o anonimato da internet. É feio. Mais feio que qualquer foto feia. Lembre-se da lei do karma: tudo que você faz volta para você, algum dia.
  • Não comprar uma coisa só porque é tendência. Tendências tendem a desaparecer rapidamente e as pessoas tendem a ficar ridículas usando tendências.
  • Não mandar nude a troco de nada. O ideal seria não mandar nudes antes da pessoa ter visto você “nude” pessoalmente. E lembre-se que a internet é que nem tatuagem: depois que botou não tem como tirar.
  • Não colocar a culpa de tudo nos outros. Mesmo sabendo, como nós sabemos, que a culpa de tudo é dos outros mesmo.
  • Não empurrar as coisas com a barriga. Aliás, não ter barriga para empurrar as coisas seria um conselho melhor ainda, mas está provado que as barrigas vieram para ficar e barriga negativa é pura ilusão de ótica. Barrigas são positivas — apenas cuidado para não exagerar na positividade.
  • Não exigir demais de você. Mas também não exigir de menos.
  • Não deixar que a preguiça atrapalhe seus planos. Ela vai vir, e vai tentar de tudo para te convencer, mas você tem que ser forte. Desistir é sempre mais fácil, mas a facilidade é a morte da paixão.
  • Não fazer barulhos que atrapalhem a vida dos outros. Nosso mundo anda muito barulhento, cultive um pouco de silêncio. Cuidado, especialmente, com a tentação de fazer obras desnecessárias em seu apartamento. Perturbar o vizinho é sabotar a própria paz.
  • Não fazer cobranças (a menos que você trabalhe no departamento de cobranças de uma empresa). Todos reagimos de maneiras diferentes às coisas, aí que está a graça da coisa. Se você espera que as pessoas reajam como você reagiria, pode se preparar para se decepcionar diariamente. Quando você cobra uma atitude de alguém, você perde a razão e uma boa oportunidade para ficar calado. Cada um tem seu jeito, e seu tempo.
  • Não se levar muito a sério. Saiba encontrar a graça até na própria desgraça, ela está lá em algum lugar. Você vai ter dias bons e dias ruins, como em qualquer outro ano, então não estresse mais do que o necessário para o choppinho. Toda tragédia, depois de um tempo, vira comédia.
  • Não ficar checando o celular, quando estiver com alguém. Se a pessoa com quem você está não é interessante, não esteja com essa pessoa. Aliás, qualquer pessoa ao vivo, na sua frente, é mais interessante que qualquer post interessante — basta olhar direito.
  • Não ter medo de experimentar coisas novas. Por mais que você conheça, você não conhece quase nada. O mundo é absurdamente imenso, as possibilidades são infinitas. Ficar preso ao que você já conhece é se fechar para a maravilhosa imprevisibilidade da vida.
  • Não se auto-sabotar. Você é o pior inimigo que você pode ter. E nosso pequeno sabotador interno se aproveita de momentos de crise para detonar nosso amor-próprio. Saiba diferenciar auto-crítica de auto-trollação.
  • Não defenda ideias em que você não acredita. Seguir a opinião dos outros é a maneira mais rápida de não fazer diferença. Faça diferença, é para isso que você está aqui. Tenha a sua própria opinião, é saudável e grátis.
  • Não guarde rancor. Se tiver algum guardado, recicle. Rancor reciclado se transforma em energia.
  • Não vacile com os outros. As pessoas contam com você e vacilar com elas seria péssimo. Dê o melhor de você em tudo, é a melhor receita para não ter insônia de noite.
  • Não engula sapos. Sapos tem glúten, mesmo os orgânicos, com sotaque de Minas. Sabe aquela gosma em volta dos sapos? É gordura-trans. Sapos engolidos triplicam o colasterol. Enfim, invente qualquer besteira como essas, mas não engulam sapos. Não mais. Resumindo, a principal coisa para não fazer em 2016 é 2015.

fonte: https://medium.com/itau/o-que-n%C3%A3o-fazer-em-2016-para-ter-um-bom-ano-novo-93d8b070b695#.3tzmu7ssv