Emprego não é prisão!

Não é um assunto tão simples quanto parece. A relação Trabalhador-Organização, pressupõe um nível de confiança em que as partes tenham abertura para conversar (e buscar alternativas) quando as coisas não vão bem. Infelizmente, sabemos que muitas vezes (acho que na maioria delas) não é assim.

Eu respondi o e-mail, explicando meu ponto de vista e meu entendimento de que as pessoas devem ter o direito a explorar opções e conversar abertamente quando identificarem que a relação atual não está tão bem… Nunca tive resposta.

Em última instância, eu acredito que…

leia mais em https://www.linkedin.com/pulse/emprego-n%C3%A3o-%C3%A9-pris%C3%A3o-alexandre-pellaes

Sob pressão: como trabalham aqueles que não podem errar?

Em uma sala de emergência, quem você atende primeiro: um idoso ou uma criança igualmente feridos? Como não travar, quando o trânsito está parado e você tem um órgão humano no banco de trás da ambulância, vindo ao encontro de uma pessoa que esperou meses na fila para recebe-lo? Como atender um paciente racista, que acabou te ofender em público e extraiu de você os sentimentos mais dolorosos? Como enfrentar a solidão após uma decisão de vida ou morte, tomada em momento de pura adrenalina?

Trabalhar sob pressão é uma realidade em qualquer…

leia mais em https://www.linkedin.com/pulse/sob-press%C3%A3o-como-trabalham-aqueles-que-n%C3%A3o-podem-errar-marc-tawil

Quase ninguém liga para o seu esforço. As empresas querem é resultado

Outro dia, em uma palestra sobre educação realizada na escola da minha filha, um psicólogo disse algo interessante: “Somente seus pais vão te reconhecer pelo seu esforço”. Aquilo me intrigou. Será que só teremos esse diagnóstico no campo afetivo? E nas empresas onde passamos mais da metade do nosso dia, como fica o nosso empenho?

A resposta é… não fica. Esforçar-se é uma parte do caminho. Um componente importante da trajetória para o sucesso, mas ainda sim um componente.

O que nos torna necessários no mundo corporativo chama-se resultado. Foi assim quando estive do outro lado da mesa, como colaborador dos jornais e emissoras de rádio pelos quais passei, e tem sido assim ao gerir a minha própria agência. Não somos contratados porque somos dedicados, mas

https://www.linkedin.com/pulse/quase-ninguém-liga-para-o-seu-esforço-empresas-querem-marc-tawil

O Fim do Estado

Uma pergunta que frequentemente se faz para os pensadores mais liberais é: “Por que parecem defender tudo que é redução dos benefícios do povo?”.Uma pergunta que frequentemente se faz para os pensadores mais liberais é: “Por que parecem defender tudo que é redução dos benefícios do povo?”.
Reforma da Previdência, reforma trabalhista, teto de gastos, privatizações, redução do funcionalismo público. Por que os liberais parecem querer sempre retirar?

Com a quantidade de reformas na agenda, e a proximidade das próximas eleições, o assunto de planejamento central nunca foi tão propício, e hoje vou falar exatamente sobre alguns desses pontos, e a relação umbilical que eles têm com a Renda Fixa.

Em outras palavras, o nível de juros que teremos nos próximos anos estará diretamente ligado à forma que decidirmos organizar a nossa economia.
Me inspirei em uma entrevista do economista Eduardo Giannetti da Fonseca ao programa “Roda Viva” para encadear historicamente a relação da organização econômica e política.

A Constituição de 1988, elaborada logo após o fim do regime militar, é chamada de “Constituição Cidadã”, por ter incluído uma série de direitos para a classe trabalhadora, como redução da jornada de trabalho, abono de férias, 13º salário para aposentados, seguro-desemprego, licença-maternidade, licença-paternidade, direito a greve, liberdade sindical, entre outros.

As mudanças certamente foram positivas do ponto de vista do trabalhador e do aposentado, que ganharam mais benefícios. Mas analisando de forma madura, todo benefício tem um custo, e vou falar mais sobre isso adiante.
Além de direitos dos trabalhadores, foram criados também monopólios do governo sobre alguns setores da economia (mineração, telecomunicação, petróleo, entre outros). Além disso, foram criados 12 direitos sociais, incluindo transporte, lazer, previdência social, assistência ao desamparado, entre outros. O governo passou a ser responsável por transferir renda.

O resultado disso foi a criação de um governo federal paternalista, provedor, garantidor de benefícios e promotor da economia.
Como adiantado nos parágrafos acima, tudo isso foi ótimo, do ponto de vista do trabalhador e do cidadão. Mas certamente teve um alto custo também, e para os mesmos beneficiados. Com uma mão se deu; com a outra, tirou-se.
Em 1988, o governo arrecadava 24 por cento do PIB e devolvia, na forma de investimentos, 3 por cento.

Hoje, o governo, além de arrecadar 35 por cento do PIB, gasta 10 por cento a mais do que entesoura. O que é exatamente a mesma coisa que dizer que a carga tributária aumentou em 11 por cento do PIB, ou em 45 por cento do que era.
Aí você deve pensar: mas isso é positivo, afinal ele arrecada mais por um lado, mas provê transporte, educação, saúde, lazer, do outro!
Só que não! SQN. Não preciso nem comentar sobre isso, preciso? “Metade da população não tem nem saneamento básico”, afirma o professor Giannetti.
Então, você deve pensar: “Deve ter ido para investimentos”.

Também não. O percentual do PIB que o governo investe hoje é, em média, 2,5 por cento do PIB, e portanto mais baixo que os 3 por cento de 1988.
Com os gastos muito acima da arrecadação, cresce a dívida, e com ela crescem os juros pagos nessa dívida.

Hoje, a conta dos juros “come” cerca de 8 por cento do PIB.
Já a Previdência come 12 por cento, e a cada ano cresce mais. Apesar de termos ainda uma população jovem (apenas 14 por cento de idosos), gastamos com previdência a mesma coisa que o Japão, que é um país que possui 26 por cento de idosos. Além disso, nossa população está envelhecendo rapidamente.
Dos 3,1 por cento de deficit da Previdência, segundo um estudo da FGV, apenas 1 por cento corresponde ao INSS (que beneficia 28,3 milhões de aposentados). Os 2,1 por cento restantes correspondem a servidores públicos da União, Estados e municípios (que representam apenas 4,2 milhões de aposentados, e recebem cerca de 4 vezes mais de aposentadoria).

Por outro lado, enquanto as despesas do RPPS (dos servidores públicos) diminuem ao longo do tempo, as do RGPS (trabalhadores CLT) só aumentam. Ou seja, é preciso reformar os dois regimes mesmo.
Juntos, Previdência e juros, correspondem a 20 por cento dos 45 por cento que o governo gasta. Mas onde estão os outros 25 por cento?
Gastos de custeio da máquina pública, aumento da folha, obras superfaturadas, corrupção?

O governo é extremamente ineficiente em gerir recursos, e o custo dessa ineficiência recai diretamente sobre o nosso bolso. Quando não é custeado por aumento de impostos (que foi o que aconteceu de 1988 para cá), é custeado por aumento da dívida (que é o que aconteceu durante o governo Dilma, e segue acontecendo).

O aumento de impostos reduz nossa renda disponível e isso nós sentimos na pele. O aumento da dívida tem efeitos indiretos: depreciação do câmbio, aumento dos juros, redução do crescimento, desemprego.
Os juros altos beneficiam os rentistas, que possuem alto patrimônio, e recebem juros. Mas prejudica os mais pobres, que pagam juros de empréstimos para consumo, automóvel e casa própria, entre outros.
Os juros altos aumentam a desigualdade social. Os altos gastos, que aumentam a dívida, aumentam a desigualdade.

O pensamento liberal defende o Estado mínimo, porque reconhece o óbvio: o Estado não consegue gerir recursos de forma eficiente. Cada 1 real na mão do Estado é gasto de forma menos produtiva do que o mesmo 1 real na mão do trabalhador.
Embora haja níveis do pensamento liberal, desde aquele que defende Estado mínimo, até aquele que defende que o Estado deve prover apenas para os mais necessitados, a mentalidade liberal é totalmente a favor do combate à desigualdade.

Por exemplo, o Estado não precisa proteger os funcionários públicos através de benefícios, uma vez que eles já possuem salários e estabilidade no emprego. Não estou dizendo que protegê-los é ruim. É excelente e merecido pelos serviços que prestam a todos. Mas como mostrei aqui, não é necessário! E custa um absurdo para os cofres públicos, inviabilizando que 2,1 por cento do PIB seja investido em educação para população carente, escolas, segurança, saúde, infraestrutura, saneamento básico.
Governar é priorizar. Se temos aposentadoria 4 vezes maior para funcionário público, não temos saúde e educação para os mais carentes.

A mesma coisa vale para o professor, que anda exigindo regras diferenciadas. O professor é extremamente importante e é o maior diferencial na vida acadêmica de um aluno. Mas o professor não é o lado fraco da corda. Beneficiar o professor é deixar de beneficiar o mais carente. É não ter dinheiro para o saneamento básico de metade da população.
Nem preciso mencionar os benefícios aos políticos e ao Poder Judiciário. Não são benefícios, são privilégios.
Benefícios são bons, mas são custosos. Uma economia madura deve sempre ponderar se esse custo despejado na sociedade é extremamente necessário. Grupos organizados conseguem defender benefícios (ou privilégios) com unhas e dentes. Mas quem defende os mais pobres?
Quem defende a metade da população fora da CLT? Existe sindicato de trabalhador informal? Se existisse, certamente defenderia a flexibilização das relações de trabalho.

Cada vez que você, professor, funcionário público, político ou militar, defende um benefício, está automaticamente onerando ainda mais a sociedade, e fazendo com que a sua conta seja dividida entre todos nós. É justo? Você se beneficia e a população paga?

Alguns pleitos serão justos! A população não pode virar as costas para um militar que dá a sua vida para defender a sociedade. Mas seu filho precisa de pensão vitalícia? Nada me convence de que um professor precise se aposentar mais cedo que eu para que o ensino público seja de qualidade. Da mesma forma, não entra na minha cabeça por que trabalhadores rurais podem se aposentar mais cedo, enquanto trabalhadores da construção civil não podem. O esforço não é o mesmo?
Na dúvida, acredito que o benefício não deve ser dado. Apenas quando os mais necessitados estiverem amparados, poderemos aumentar a lista de benefícios.
Se realmente nos limitássemos apenas aos mais necessitados (como os 50 por cento que não conseguem entrar no mercado formal, como os mais pobres que não tem saúde, educação e transporte), teríamos um gasto mais baixo, um investimento maior, menor juros e, principalmente, menor desigualdade.

As reformas atacam exatamente esses pontos. E certamente existem outros em que erram — e por isso precisam ser alterados. Mas, no geral, flexibilizar as relações de trabalho e reformar os gastos da Previdência é imprescindível para a redução do tamanho do Estado e para a inclusão dos mais pobres na economia.
Por isso que toda vez que é sugerida uma política liberal, o mercado melhora. Por isso que toda vez que é defendida uma redução de benefício, o mercado melhora.

Por isso que a nossa taxa de juros está tão ligada às reformas. Por isso que os juros caíram significativamente depois da aprovação da PEC do Teto.
Defender aumento de gastos quando não se tem mais dinheiro é exatamente igual a defender aumento de juros e aumento da desigualdade.

Marilia Fontes, carta recebida por email.

Se Você Está Lutando Para Equilibrar Trabalho e Vida, Volte Duas Casas

“Não pergunte a si mesmo(a) do que o mundo precisa. Pergunte o que faz você sentir-se vivo(a). Porque o que o mundo precisa é de pessoas que se sentem vivas.”

Howard Thurman

Algumas pessoas adoram seu trabalho. Seja um emprego formal, seja um negócio próprio ou uma atividade autônoma.

Mas são minoria.

Cerca de sete em cada dez pessoas, segundo as pesquisas, não gostam do que fazem. Trabalham pelo salário, para pagar as contas.

Aí tem aquela sensação, que vem lá dos tempos da escola: a vida começa no recreio. Na Happy Hour. Na sexta-feira.

E acaba na depressão escura das noites de domingo.

Não me parece um bom jeito de viver.

Cinco dias com a vida toda encaixotada para dois dias de reconfortante autodeterminação.

Só dois dias para organizar seu tempo do seu jeito e se dedicar àquilo que realmente faz sentido.

Mau negócio.

Mas, afinal, o que é Trabalho para você? E que lugar ocupa na sua vida?

Acho muito estranho quando leio algum artigo sobre como equilibrar o trabalho e a vida. Ora, penso, mas o trabalho não deveria ser, ele mesmo, também Vida?

Se o trabalho não faz parte da vida, em que categoria ele está? Da morte?

Talvez…

Para algumas pessoas, sentir-se preso(a) a um trabalho sem sentido talvez seja como morrer um pouco a cada dia.

Na minha trajetória pessoal, tenho tentado bem isso: transformar, cada vez mais, o Trabalho em Vida. Até porque é intolerável, para mim, essa sensação de viver apenas dois dias por semana.

Será que você é como eu?

Então eu comecei a enxergar a coisa toda de um jeito diferente.

Parei de ver meu trabalho como o sacrifício necessário para merecer o recreio.

Deixei de encarar o trabalho do jeito que estamos programados para encará-lo: como um martírio ou uma condenação sem escapatória.

Tipo “aceita que dói menos”.

Nada disso!

Não acho que abrir mão do que pulsa dentro de nós a fim de se adaptar (e contribuir para construir) uma sociedade doente seja algo que ‘enobrece o Homem’.

Esse tipo de trabalho, que nos afasta de nós mesmos, não enobrece ninguém.

É o que sempre disseram para a gente, desde cedo: você precisa se esforçar, fazer a lição de casa, estudar para as provas, não importa o que grita desesperado seu coração. Esquece isso aí! Tire notas altas, caso contrário não vai conseguir um bom emprego.

Isso já fez algum sentido um dia. Mas faz tempo.

Nós não estamos condenados ao trabalho maçante porque, mais do que nunca, podemos criar o tipo de trabalho que faz sentido ao mesmo tempo para nós e para o mundo em que vivemos.

Então vou te contar como eu enxergo o Trabalho hoje, depois de uma série de aventuras e desventuras pela selva do mundo adulto.

Olhando para o conjunto da minha existência, considero o Trabalho um dos eixos organizadores da vida. Provavelmente o mais importante.

Eu organizo minha rotina e minhas relações a partir do que considero o meu Trabalho.

Agora estou aqui me perguntando: Será que ver o Trabalho no centro da vida é algo que te choca?

Pois e minha família? E meus filhos, meus amigos? Minha prática religiosa?

Então: o pulo do gato é que não vejo meu Trabalho como algo separado de todo o resto. Algo que compete pelo meu tempo com a minha família, minha religiosidade ou a minha vida social.

O segredo é enxergar tudo isso apenas como diferentes oportunidades de manifestar uma única realidade: meu Ser em construção.

Estar com minha companheira e com meus filhos, isso também é meu Dharma. E, ao mesmo tempo, procuro fazer de meu Trabalho a minha religião. Pois os textos que escrevo, os projetos que sonho e as pessoas que atendo são também minha maneira de rezar.

A verdade é que, o que quer que eu faça, para mim, precisa ser parte do meu Trabalho. Tudo precisa fazer parte da maneira como eu manifesto meu propósito de vida por meio da minha Ação no mundo.

Você já deve ter percebido que o que estou chamando de Trabalho, aqui, é algo bem diferente do que a gente normalmente chama de trabalho, não é?

Não tem nada a ver com sair cada vez mais tarde do escritório ou passar o tempo todo pensando em uma promoção.

Não entendo o trabalho simplesmente como o que você faz para ganhar grana.

O Trabalho é, para mim, o Caminho Sagrado.

É o que me permite construir a mim mesmo no mundo por meio da Ação.

Sinto que, para a minha vida ter um sentido mais profundo, eu preciso tornar-me, cada vez mais, quem eu já sou.

Quem eu já sou em potência, que é como a árvore mora dentro da semente.

E o melhor caminho que conheço para viver essa transformação é a Prática Constante de oferecer minha contribuição única para o mundo a partir de projetos, iniciativas e parcerias que estejam impregnados do que faz sentido para mim.

Eu quero que meu trabalho me ajude a manifestar meus talentos em sua máxima potência.

É também por meio do meu Trabalho, daquilo que eu produzo no mundo, que pretendo deixar uma marquinha da minha passagem pela Terra.

Deixar minha marca a partir da diferença que minha existência tenha feito na vida de outras pessoas e seres. E é por isso que faz sentido, para mim, enxergar o Trabalho como prática espiritual.

Agora só uma coisa, antes de encerrar: se você acha que estou falando de fazer só o que eu gosto, só o que eu tenho vontade de fazer, ou de transformar hobbies e lazer em atividade remunerada como projeto de trabalho feliz, pessoa bonita, sinto dizer, mas você não entendeu nada.

Enxergar o Trabalho não como uma das partes da vida, mas como uma maneira de viver a partir da sua Verdade não tem a ver, obviamente, com maximizar o prazer, o conforto e a comodidade.

Não que haja algo de errado com prazer, conforto e comodidade. Você gosta e eu também gosto.

Mas nada disso ajuda a vida a fazer sentido.

Não é?

Veja, uma médica que se dispõe a socorrer crianças em zonas de guerra, por exemplo, não está lá para curtir a vida adoidado. Pelo contrário: ela está exposta a uma dose de sofrimento que poucos de nós suportariam.

Então, a escolha dessa pessoa envolve renunciar ao prazer, ao conforto e, mesmo, a sua segurança pessoal, a fim de dedicar a vida ao que se sente Chamada a realizar.

Porque não há nada que nos faça mais vivos do que ouvir o Chamado da Vida e agir, sobre o mundo e sobre si, a partir do coração.

E AGORA, O QUE EU FAÇO COM ISSO?

Experimente usar sua atividade criativa, espiritual e profissional para refinar cada vez mais a compreensão do seu Dharma, daquilo que faz de você quem você é e que dá sentido a sua existência.

Mantenha-se aberto(a) ao Chamado. O que você se sente chamado(a) a realizar no seu tempo de vida?

Comece agora.

 

fonte: https://www.linkedin.com/pulse/se-voc%C3%AA-est%C3%A1-lutando-para-equilibrar-trabalho-e-vida-volte-camargo

A noção de certo e errado dá origem à violência

Uma citação do poeta persa Rumi ilustra uma das estratégias mais valiosas da PNL: “Para além das ideias de certo e errado, existe um campo. Eu me encontrarei com você lá“. Esta citação de Rumi está no livro “Comunicação Não Violenta” de Marshall Rosenberg. A “Comunicação Não Violenta” é o resultado de toda uma vida do autor comprometida com a solução de conflitos e a mediação, incluindo negociações étnicas e diplomáticas.

Em outras palavras, Marshall Rosenberg diz que a noção de certo e errado dá origem à violência. Talvez você concorde que possivelmente a totalidade dos conflitos no universo humano possui sempre as mesmas raízes: a convicção de que cada uma das partes em conflito tem de estar “certa”! Quando desprendidamente ouvimos os argumentos, somos frequentemente convencidos de que há uma lógica que sustenta as motivações das partes em conflito… “Todos tem razão!” Então, como é possível transcender tais paradoxos e encontrar soluções criativas para soluções criativas e valiosas que sirvam de acordo entre as partes? A resposta de Marshall Rosenberg é mudar a linguagem e a percepção do certo e do errado para a das necessidades. Nas necessidades, nós humanos, facilmente entramos em consenso, pois independentemente da raça ou cultura, todos temos as mesmas necessidades!

fonte: lista idph – Instituto de Desenvolvimento do Potencial Humano

Decidir é fácil, difícil é tomar uma atitude

É só quando chega o final do ano que percebemos a quantidade de coisas que deixamos para trás: são muitas as decisões que tomamos, mas que não tivemos a coragem de executar.

Decisões, assim como planos estratégicos, são extremamente importantes. No entanto, são as atitudes que de fato viabilizam a sua execução. São elas que testam a nossa coragem. É só na prática que percebemos o quanto estamos seguros em relação aos nossos planos e decisões. As atitudes desafiam a nossa capacidade de conviver com os sacrifícios inerentes a qualquer opção, exercitam a nossa resiliência e nos fazem trabalhar (no limite de nossa capacidade de adaptação) em todas as variáveis, mesmo as que não estavam previstas em nossos planos.
Isso pode até parecer lugar comum. Mas, a cada nova experiência que tenho com pessoas e empresas, verifico a imensa distância que existe, na maioria das vezes, entre a visão (planos e decisões) e a execução (atitudes) dos empreendedores.

Chamo você para essa reflexão, justamente porque, nessa época do ano, somos sugados pelo sensação de que é preciso renovar, realizar planejamentos estratégicos e adotar resoluções diante dessa “nova chance” que a vida está nos dando.

No campo dos negócios, esses sentimentos acabam levando gestores a intermináveis reuniões de planejamentos estratégicos, repletas de apresentações motivacionais, fórmulas mágicas de sucesso e muito choro no final.

Esse tipo de encontro muitas vezes não passa de uma armadilha, que nos afasta da discussão real: o que fizemos de errado, onde a concorrência nos bateu, quais são as nossas deficiências e, principalmente, onde nos faltou a coragem suficiente para assumir os riscos que qualquer execução carrega.

Sendo assim, nesse final de ano, em vez de cair na tentação de apagar o passado e começar a desenhar um futuro de sucesso do zero, analise o que você deixou de fazer no ano que passou e tenha a coragem de admitir seus erros e fraquezas. Lembre-se que, no ano passado, esse era o futuro que você queria para si ou para os seus negócios.

Pegue suas anotações e as de seus colaboradores e, em vez de tratar de planos (que provavelmente não serão executados novamente), diga como será a execução de tudo aquilo que você já sabe tem que ser feito há muito tempo. Calcule as perdas, ganhos e investimentos que terão que ser feitos. Concentre-se na prática, e não na teoria.

2015, dizem as más línguas (e as boas confirmam), não será um ano fácil (assim como o que termina também não foi). Se você ficar parado, sem correr o risco da execução, uma coisa é certa: no ano que vem, provavelmente você estará precisando efetuar mudanças urgentes em seu negócio ou na sua vida – coisas que já deveria ter feito há dois anos. E aí, pode ser tarde demais.

fonte: http://revistapegn.globo.com/Colunistas/Carlos-Miranda/noticia/2014/12/decidir-e-facil-dificil-e-tomar-uma-atitude.html